terça-feira, 25 de maio de 2010

Crônica para além dos olhos


Entre indas e vindas minha sombra me faz companhia pelas frias manhãs azuladas às noites enluaradas.Passos traiçoeiros circundam melodias pastosas no quarto fechado.
Na janela ao lado vejo um vulto feminino passar de um lado pro outro e a cortina esvoaçante encobre a visão.
Era ela, sentada com as mãos sobre a face,chorava penosamente e seu pranto me fez pensar
o porquê de toda a situação.Acendi um cigarro com a xícara de café que esfumaçava,peguei um livro e tentei tirar o pensamento daquela imagem que tanto me afligia.
Adormeci sem sentir,logo ao acordar me veio a imagem daquela mulher que estava aos prantos
na noite passada.
Levantei da cama,joguei uma água no rosto,passei um café e enquanto isso com os dedos
entreabri a cortina lentamente para ver se avistava algo pela janela.
Era uma manhã de inverno fria que congelava até o pensamento.Fiquei ali por alguns minutos
esperando algum reação ou qualquer barulho que fosse,mas nada aconteceu,nem um murmurinho sequer.
O dia crescia tomando ritmo com as horas que seguiam e eu ainda não avistara nada
nem ninguém ali desde o ocorrido.
Como de costume comecei a dar partido nos afazeres diários.Com a vassoura nas mãos e o rádio ligado,eu ia cantarolando as músicas.De hora em hora espichava os olhos de curiosidade sempre em alertar a qualquer sinal , por menor que fosse.
A noite veio e eu ainda continuava a me perguntar qual o motivo de tanta tristeza.
Eu não a conhecia.Sabia apenas que a sua janela dava de frente a minha,que determinada hora da noite se sentava de frente ao computador e que assistia a novela com o volume alto e ainda não satisfeita conversava entrando em ferronhas discussões com os personagens como se os conhecesse de longa data.
Os dias passaram voando,as minhas responsabilidades dobraram,os compromissos triplicaram e logo me esqueci do ocorrido.
Certo dia antes de sair de casa encomendei ao floreiro rosas vermelhas suculentas para o adorno
e para que perfumassem a casa,como sempre fazia.
Quando voltei dos compromissos,acendi as luzes,adentrei o quarto e depois fui tomar um banho
para aliviar o cansaço do corpo de um dia tão intenso.
Estava trabalhando em algumas músicas ,então me sentei com o violão e quando menos esperava escutei um barulho.
Corri pra janela e fui ver o que estava acontecendo,o que seria aquele furdunço.
Vi uma belíssima mulher que de frente ao espelho chorava se contorcendo entre caras e bocas.
Percebi logo que se tratava de uma atriz ensaiando suas falas e diante aquela situação toda cai em gargalhadas até perder o fôlego.
Sempre que relembrava o fato ria ,liguei aos amigos mais próximos para contar o desfecho
e cai no riso escrachadamente.
No dia seguinte ao sair,coloquei uma rosa com um bilhete enfrente a sua porta com os seguintes dizeres:


"Para atriz,atos...
Para quem imagina,fatos.
Para quem vivencia,sonhos."

Depois desse ocorrido não avistei mais aquela mulher de beleza exótica,traços fortes e gestos compostos.Passei alguns dias viajando e logo em seguida acabei me mudando para outra cidade.Mas comigo levei essa história e a interação de que nem sempre o que vemos,é aquilo que de fato é.

(Jú Fernandes - 13/05/2010)

8 comentários:

  1. Lindo o Texto, suas palavras e, principalmente, a mensagem nele transmitida.

    Beijos Jú,
    Sucesso sempre
    =)

    ResponderExcluir
  2. Caixote de Pandora26 de maio de 2010 21:58

    Querida Nina,

    é muito bom vê-la por aqui.
    Obrigada pelo carinho.
    Fico satisfeita que esteja
    curtindo o blog.
    Sint-se em casa,o Caixote tb é seu.

    Volte sempre...
    Beijão pra ti =)

    ResponderExcluir
  3. Amei Ju!
    Acredita que fiquei agoniada com a mulher só de ler o começo? HAUHAUHAUHA Realmente, nem sempre o que vemos,é aquilo que de fato é...
    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Lindo!
    Amei a forma como vc escreve,eo tema é ótimo!
    Nem tudo é o que parace neh?! rs
    Bju grande

    ResponderExcluir
  5. Caixote de Pandora27 de maio de 2010 19:39

    Olá Rapha...

    Que bom que gostou!
    É a primeira vez que trabalho
    a fundo a dramaticidade,
    explorando algumas nuances que
    antes passavam despercebidas.
    Seja sempre bem vinda ao Caixote

    Beijaço! =)

    ResponderExcluir
  6. Caixote de Pandora27 de maio de 2010 19:42

    Olá Mi...

    tenho escrito de uma forma mais solta
    buscando temas que tenham uma percepção mais
    abrangente.
    Espero que o "Caixote" lhe proporcione
    grandes aventuras literárias.
    Beijão!

    ResponderExcluir
  7. Lindo texto Ju... Q orgulho d conhecer alguém com tanto talento.... Saudades de vc querida!!!
    Parabéns novamente pelo texto!!
    Bjus!!

    ResponderExcluir
  8. Caixote de Pandora28 de maio de 2010 00:51

    Ô Ká...
    Gentil como sempre =)
    Bom te ver por aqui!
    Legal que tenha curtido o texto.
    Bjão,volte sempre!

    ResponderExcluir

Encaixote suas ideias com cuidado!O feitiço pode virar contra o feiticeiro...