quarta-feira, 23 de junho de 2010

Parabéns vó...87 anos!!!




De um lado pro outro,falando sobre o frio,
com as panelas no fogo,ela seca as mãos no avental.
O sorriso doce que aconchega quem se aproxima.
As palavras sutis de quem sabe como conversar.
A ternura do olhar que cruzou décadas e que sabe valorizar
quem o acompanha.
A mulher que cuida da natureza é a mesma que se deixa ser cuidada.
Eu fico colada na barra da saia dela,
como se estivesse absorvendo,
ou talvez,como se estivesse observando.Tanto faz,ambos acontecem simultaneamente.

Só sei ,que ao longo dos seus 87 anos,comemorados hoje,
ela está a pleno vapor.
Geminiana durona,sistemática,de humor excêntrico e extremamente encantadora.
Eu estou feliz da vida, agradeci a Deus várias vezes hoje,por tê-la conosco com tanta saúde e disposição.
Amigos vieram ao seu encontro parabenizá-la...
O Padre comentou sobre seu aniversário e nos rádios também foi lembrada.
Os filhos também foram beijá-la,netos e bisnetos.
Os amigos mais queridos sabem como agradá-la , um levou um pudim,
outro biscoitos e eu levei uma rosca de côco (que é o que ela mais gosta...hehe)
Ela não gosta de festas,nem aceita presentes.
Só com jeitinho mesmo...rs
E eu sei cativá-la...
Eu a amo incondicionalmente,nos entendemos por olhares...
Fico ali durante horas jogando conversa fora ,vendo-a cuidar da "Nabi" (a Sabia -" Nabi ",porque diz minha vó,que ela fala isso quando canta baixinho...rs....e hoje comprovei que isso é verdade!..rsrs..)
O que mais me encanta,é a simplicidade dela, em tudo.
A maneira como ela faz a vida valer a pena,
a atenção que ela dedica as pessoas que cruzam o seu caminho
e o cuidado que ela tem com as pessoas que ela tanto ama.

# História recente

Ah...esses dias eram quase meia noite minha filha e me bateu uma vontade de
comer manga.
O médico disse que eu não devia comer um tanto de coisa de noite,
mas vai sabê de amanhã né...( e a risadinha)
Ele não sabe de nada...(risadinha de novo)
Eu fiquei com vontade , fui lá e comi...
Acordei no dia seguinte e meu xixi tava vermelhinho...feito manga.
Ai foi que eu lembrei o que tinha comido ontem.(risadas coletivas)

--------

Vózinha amorzão da minha vida,

Que Deus lhe abençoe sempre,dando-lhe muita saúde.
Realmente hoje,me emocionei muito,assim como me emociono nas chegadas
e principalmente nas partidas,pois a senhora representa grande parte do meu coração.
Te amo, admiro e respeito muito...
Obrigada por tudo,sempre,obrigada por ser essa pessoa maravilhosamente divina!

--------

P.S 1 .: ela não gosta de ser fotografada...essa foto foi tirada hoje a noite.
Foi um custo...mas consegui...rs
Se ela percebesse, estaria ferrada.

Cúmplice: minha mãe
prêmio pela missão cumprida: mentos sortidos

--------

P.S.2 : Beijos da neta coruja e babona assumidamente de carteirinha
e fã nº 1,sem sombra de dúvidas!

sábado, 19 de junho de 2010

video

"E, no final, o amor que você recebe é igual ao amor que você doa".

(Trecho animado de Carry That Weight - The Beatles)


quinta-feira, 17 de junho de 2010

O Escafandro e o Mentecapto


Com a ventania as roupas no varal fazem o quintal se transformar
num parque de diversão.
O sol nessa época do ano é tão gostoso feito um cafuné.
O menino que brincava de bola na rua,é o mesmo que solta pipa
e que esquentava o termômetro no abajur para fingir o estado febril.
Matar aula e ficar em casa, no seu mundo encantado de dragões,heróis,
índios que lutam contra homens maus.
No quarto ao lado,sua irmã adolescente confabulava sonhos com o príncipe encantado,o mesmo que estampava os pôsters colados na parede.
A noite eles sempre se amontoavam no sofá para ver Tv,enquanto o irmão mais
velho se trancava no quarto onde lia Nietzsche,escrevia e achava a vida um
tanto quanto monótona.
As férias estudantis se aproximavam,era tempo de se divertir.
O menino acordava cedo e corria pra rua para encontrar os amigos e
se aventurar.A irmã se pendurava ao telefone com a amiga para contar
sobre o garoto que lhe piscava nos corredores da escola.
E o irmão mais velho transitava pela cidade.Comprava cd´s,livros,filmes e
assim construia os alicerces da sua idelologia.
Ele era ligado em cinema,debatia sobre política e delirava ao som dos Beatles.
Sua mãe estressada,cansada e inconformada,perambulava anciosa pela casa
como se estivesse a procura de algo.
O pai era um escritor renomado que vivia na frente do computador,
com seus cabelos desgrenhados,sua garrafa de café fumegante e tinha
milhões de trejeitos e gesticulava o tempo todo,suas mãos diziam muito.
Ele não admitia barulho por isso se trancava no seu escritório onde ficava
o máximo de tempo que sua criatividade permitisse.
Jean P.,tinha a curiosidade aguçada,foi ao escritório de seu pai,escondido ligou
o computador para ver em que seu pai trabalhava e saiu rapidamente sem deixar vestígios.
Eram tempos difíceis,sua mãe esbravejava irritadíssima contando a vizinha que havia sido
despedida injustamente depois de longos anos dedicados a sua empresa.
Seu pai descabelava-se , os editores lhe deram um prazo mínimo de entrega que já
estava se esgotando.
Ao ver todo aquele furdunço,Jean P.,preferia se refugiar no seu quarto.
Ligou o computador e começou a ler o arquivo em que seu pai estava trabalhando.
Era um texto harmonioso,que contava 400 páginas,mas que havia estagnado em certo ponto.
Após ler aquilo tudo seu cérebro fervilhou,ele desceu as escadas e deu de topo com seu pai
e perguntou:

_ E o livro ?

Seu pai estava com as unhas na cabeça,mas sem demonstrar que estava aflito,fez alguns
rodeios e saiu apressadamente com as chaves do carro nas mãos.
Jean P.,era consciente da situação em que se encontrava.
Saiu de casa com a mochila nas costas e foi para o bosque.
Ele ficava ali sentado embaixo de uma árvore frondosa,observava a natureza em silêncio.
Aquilo o fazia renascer,ficando mais vivo e livre.
Ali era o seu lugar preferido,era o seu lugar,onde tudo cabidamente o preenchia de sutilezas.
Por horas seus pensamentos vagaram,entre nuvens e pássaros até que o sol começou a cair
alaranjando o céu,era tempo de voltar pra casar.
Tomou um longo banho quente quando chegou em casa,enquanto o vapor tomava conta
do banheiro e seus dedos ficavam enrugados ele teve um insight.
Mal se secou,sai correndo e se trancou no seu quarto,onde escreveu incessantemente cruzando
a madrugada.
Debruçado sobre os papéis,ele acordou com a cara amassada.
Saiu de seu quarto, ainda mole.
Seus pais haviam saído,assim Jean P. foi encontrar com seus amigos.
A noite ele deu o back up para que seu pai lesse o que ele havia escrito.
Os dias passaram voando e as férias chegaram ao fim.
Era tempo de retomar as aulas pela manhã,com atividades complementares à tarde e
atividades físicas também.
General Vieira Neves,473 ...seria o local,uma livraria aconchegante no centro da cidade,
que era reduto de intelectuais, críticos e artistas.
Todos se arrumaram colocando a melhor roupa que tinham e foram para a livraria.
Entre empurrões e cotoveladas a disputa pelo espaço era quase animalesca.
Fotógrafos afoitos pela imagem perfeita,tentavam se aproximar ao máximo para capturar
o melhor ângulo expressivo enquanto os pequeninos abriram caminho estando plantados
e sorridentes ao lado do pai.
A esposa entrevistada sorria para as câmeras,mas Jean P., não conseguia ultrapassar a barreira
humana que estava a sua frente,mesmo com a ajuda da organização do evento.
Com o livro nas mãos,foliou algumas páginas e começou o seu discurso.

_A concepção dessa obra é exclusivamente dedicada à minha família que sempre me apoiou
dando créditos para que sempre a arte fosse a razão maior.Eu gostaria de enfatisar uma citação.

"É preciso uma casa com o pé direito alto, para que nela caibam todos os sonhos do mundo"


Fez-se uma pausa e ajeitando os óculos,notava-se os olhos marejados.Retomando o fôlego,ergueu
a cabeça e disse engasgado:

"Às vezes passamos afobados pela vida em busca de respostas,mas sem saber qual a pergunta crucial a ser feira.Contudo,é necessário uma breve pausa para sabermos o que temos,só assim
saberemos verdadeiramente,quem somos."

A platéia que estava em silêncio instantaneamente ovacionou o autor.
Para concluir o raciocínio, ele completou:

_Gostaria de salientar que a citação que fiz a cima foi de meu filho,Jean P.,o qual com sabedoria,
sensibilidade e perspicácia me apresentou o mundo através de um novo olhar.

Thomas Austen,naquele outono do ano de 1992,foi um dos autores mais vendidos.
"O Escafandro e o Mentecapto" , rendeu resenhas críticas essênciais pressupondo o existencialismo através do caráter libertário e ético-racional.

quinta-feira, 10 de junho de 2010

Chicólatra sim e daí ?!...rs



Pirando o capacete das idéias depois
de estudar por 2 horas Chico Buarque
vejo o progesso das mãos correr solto no meu violão.
Chico tem se tornado um companheiro pra
toda hora,indispensável ...
As harmonias que antes não se encaixavam,
agora bailam sutilmente tomando a forma adequada.
A sua genialidade junto a minha ousadia
vem arrancando aplausos e delírios nos shows.
Quebrando e reconstruindo um novo Chico Buarque
desde Olho nos Olhos até Cotidiano,
com melodias excêntricas e desafiadoras até os
músicos mais experientes tem se espantado
com tamanha irreverência e versatilidade nas
roupagens que tenho feito.
Máquina de ritmo que desparafusou o convencional,
que inventa o surreal e que faz brincar de ser feliz.
Vivendo no submundo Buarquiano...rs

Salve,Salve Chico

video

Jorge Maravilha

Composição: Leonel Paiva / Julinho da Adelaide (Chico Buarque)

E nada como um tempo após um contratempo
Pro meu coração
E não vale a pena ficar, apenas ficar
Chorando, resmungando, até quando, não, não, não
E como já dizia Jorge Maravilha
Prenhe de razão
Mais vale uma filha na mão
Do que dois pais voando
Você não gosta de mim, mas sua filha gosta
Você não gosta de mim, mas sua filha gosta
Ela gosta do tango, do dengo, do mengo, domingo e de cócega
Ela pega e me pisca, belisca, petisca, me arrisca e me enrosca
Você não gosta de mim, mas sua filha gosta
E nada como um dia após o outro dia
Pro meu coração
E não vale a pena ficar, apenas ficar
Chorando, resmungando até quando, não, não, não
E como já dizia Jorge Maravilha
Prenhe de razão
Mais vale uma filha na mão do que dois pais sobrevoando

terça-feira, 8 de junho de 2010

Presente aos Caixoteiros


É hora de presentear meus caros leitores do Caixote!
Basta clicar nos link´s para abrirem as surpresas ,
espero que gostem...


Beijos, Caixote de Pandora


http://migre.me/MRhx
http://migre.me/MR9E
http://migre.me/MRdw



P.S.:
não tem vírus...lambusem-se,assim como me lambusei...hoho...baiser


segunda-feira, 7 de junho de 2010

Bon Vivant




Após o show,encho o tanque do carro
e pego a estrada e vou de encontro ao que é meu,por direito.
Ligo o som e as músicas surgem assim como as luzes dos postes
que margeiam os acostamentos.
Gil,Gal,Chico,Jacques Brel,Moska,Angela Ro Ro,Djavan,Beatles,Cássia,
Norma Bengel,Frank Sinatra...
Ah,por favor não me faça gozar agora, estamos na melhor estrofe...rs
exposta aquela liberdade toda...
Sozinha ali no meio do nada,me achando a dona do mundo.
Ah,que delícia,colocar a mão pra fora da janela
e sentir o vento tocar a palma da mão.
A outra mão marca o ritmo,batucando o volante..
Eu cantarolo,tu cantarolás,ele cantarola....e foda-se o resto!
Não há pressa,estou a 80 Km/h .
Penso no tempo..penso..penso..penso..
Que nem diria Seu Jorge "depois da onda pesada,a onda zen"
de 23 pra 24 .... 100%
No banco detrás meu companheiro inseparável,o violão...
No suporte a garrafa de água,caneta e bloco de papel.
É tudo o que eu preciso,assim posso ir onde quiser.
Me entregando de corpo e alma a liberdade,
a música,a vida...
Mas e o coração ?!..
Não,eu não fiz um ecocardiograma,eu vejo House!...rs
Ah,ele faz firula quando toco samba e isso me basta.
Eita maravilha incondicional que tem tomado meus dias.
Tá certo que tô no meu inferno astral,
mas estou com saúde,leve,feliz...
as coisas mudam,os personagens,as vontades,a cabeça,
o jeito de viver,as roupas,tanta coisa.
A responsabilidade e a liberdade norteadas pela alegria,
isso é excepcional.
Aumento o volume do rádio ...

"Fica comigo esta noite e não te arrependerás.
Lá fora o frio é um açoite,calor aqui tu terás."

Hahaha...um tanto quanto vintage,adoroooo....rs

Ao seu futuro amor(caro leitor),
sorte,perseverança,companheirismo,
inteligência,zelo,noites geladas pra corpos quentes e
principalmente,um toque de ousadia!
Plim!

Eu vou por aí,vou ganhar o mundo....escrever,fotografar,ler,
desenhar,sorrir,aprender francês,caminhar,compor...
Quem vai saber do amanhã né...então vamos,
Viver! Viver! Viver!



sábado, 5 de junho de 2010

"Sou cheia de manias. Tenho carências insolúveis. Sou teimosa. Hipocondríaca. Raivosa, quando sinto-me atacada... Só ando no banco da frente dos carros. Mas não imponho a minha pessoa a ninguém. Não imploro afeto. Não sou indiscreta nas minhas relações.Tenho poucos amigos, porque acho mais inteligente ser seletivo a respeito daqueles que você escolhe para contar os seus segredos. Então, se sou chata, não incomodo ninguém que não queira ser incomodado. Chateio só aqueles que não me acham uma chata, por isso me querem ao seu lado. Acho sim, que, às vezes, dou trabalho. Mas é como ter um Rolls Royce: se você não quiser ter que pagar o preço da manutenção, mude para um Passat."

(Fernanda Young)

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Fever



O que escala o teu corpo na temperatura de ânsias subliminares?!
Acarretando pensamentos destorcidos,minhas recordações são açoites
bordados ponto a ponto no fogo convexo e extasiante.
Apago a luz do meu quarto pra não crucificar minha intransigente liberdade.
A sonoridade do prazer rege uma sinfonia incontível...
Quando o poeta se mete na metáfora incabível é plausível
deixar de fora qualquer desculpa.
Sobre a leve pressão do contato entre o jardim e o compasso
há um espaço cabido pro meu silêncio.
Libido guardado numa caixa de música
com jóias,bailarina e bilhetes.
No meio dessa paisagem tudo me fascina
e a minha natureza me ensina os passos.
Que a beleza que põe cama e mesa
seja a mesma que me diga: "Bom Dia"