quinta-feira, 4 de agosto de 2011

Coisas minhas que eu não te conto...


Fico perguntando se você é de verdade, ou apenas meu coma alcoólico porque não dá para encarar tanto prazer de uma só vez sem desconfiar.

E ainda mais forte que a desconfiança do ilusório, é a sensação de real e concreto que seu abraço me passa. Tão sentido, tão forte, tão doce, que, pés no chão, tudo que percorre meu corpo parece tentar me desconcertar e me abalar.
Não, não... só pode ser mentira.
E desde há muito tempo, espero alguém assim inusitado e espontâneo e às vezes fico assim te olhando e rindo, rindo do meu coração disparado a dissipar uma catarse aqui dentro.
Tenho certeza que você não entende o quanto isso tem sido importante. Era o meu mapa de tesouro. Não saber disso faz com que seja ainda melhor.
Eu respiro fundo todas as vezes que meus olhos encontram os seus, mesmo porquê, tento te encarar com a mesma objetividade da qual sua presença me priva.
E nessa briga entre me entregar ao sublime e manter um gesto calculista, me reviro do avesso, uma, duas, três vezes, buscando saber qual parte de mim te deseja, qual tem medo e qual não te quer.


Mas todas te querem...
(Letticia Do Vale, direto do Mundo de Alice)

2 comentários:

  1. Ufaaa... (silêncio)... bom d+!!!

    ResponderExcluir
  2. Caixote de Pandora5 de agosto de 2011 21:23

    "I have decided to stick with love. Hate is too great a burden to bear."
    (Martin Luther King)

    Coisas que eu não te conto...e não precisam de palavras para serem ditas.
    Sutil como um olhar.

    ResponderExcluir

Encaixote suas ideias com cuidado!O feitiço pode virar contra o feiticeiro...